dois coelhos

Esta é a nossa história, dois rapazes destinados um para o outro, que se conheceram quando um tinha 20 anos e o outro 26.
Desde esse dia que a nossa vida mudou para sempre! E vocês são as nossas únicas testemunhas!

segunda-feira, 4 de Abril de 2011

Salamanca

Às vezes as coisas simplesmente não saem nada como planeado. Mas se não houver planeamento, a surpresa é sempre garantida. Para o melhor e para o pior.

O café da manhã é sempre igual...
O primeiro dia começou logo com discussão, daquelas que já não havia há bastante tempo. Passei-me com a inercia do P, com a ausência de sugestões e com os 'tanto faz!' que recebi de respostas. Depois do pequeno almoço assentei arraiais no carro e disse "Vai para onde quiseres, sabes o caminho para Lisboa!". Amarrei o burro. Ele tentou fazer o mesmo, mas quando percebeu que não tinha alternativa sentou-se ao volante e começou a guiar. Demos duas voltas por Viseu (não é difícil dar voltas na cidade das rotundas...) e entrámos na A25 em direção à Guarda. Estava convencidíssimo que iamos voltar para Lisboa, pelo lado da Guarda e Covilhã, mas não. Seguimos em direção a Vilar Formoso. Eu estava completamente à nora!

Passámos a fronteira 410 km depois de ter saído de Lisboa. As primeiras placas indicam Salamanca, e há uns tempos atrás disse ao P que gostava de lá ir. Seria isso? O meu Europe on a Shoestring da LonelyPlanet acompanha-me sempre, e lá comecei a pesquisar (quem começou a viajar de mochila às costas antes da internet sabe bem como um guia de viagem é imprescindível.

Quando começámos a ver a ver a silhueta de Salamanca a desenhar-se ao fundo percebemos logo que a paragem era obrigatória! 

O guia dizia que Salamanca é uma cidade para ser explorada a pé, por isso estacionámos o carro junto ao rio (Rio Tormes, afluente do Douro) e fizemos isso mesmo. Entretanto o ambiente entre nós também já estava um bocado melhor (mas ainda não completamente sanado).




O mapa básico que vinha no guia deu para as primeiras orientações, até descobrirmos a Oficina de Turismo, onde nos arranjaram um mapa bem catita. A própria Oficina de Turismo fica num dos pontos turísticos, a Casa de las Conchas (consta que um nobre escondeu moedas de ouro nestas conchas, por isso algumas estão destruidas).

Salamanca é uma cidade espetacular, e merece bem um fim de semana. Fomos às catedrais (a Nueva e a Vieja), Plaza Mayor (conhecem este filme?), várias igrejas e, claro, à Universidade (uma das mais antigas do mundo). 

Nas lojas de recuerdos já tinhamos percebido que a rã é um dos símbolos da cidade, mas foi na universidade que percebemos porquê. E aqui vai, em edição exclusiva, a lenda da rã: Salamanca é uma cidade universitária, e diz-se que em altura de exames se o estudante olhasse de frente para a Catedral Nova e descobrisse na fachada a minúscula estátua de uma rã teria aprovação em todos os exames. Claro que houve logo dois coelhos que foram novamente à catedral à cata da dita rã, mas nicles. Ainda bem que não temos exames por agora. Mas lembrámo-nos do Mark. Ele não precisa, mas talvez isto pudesse ser útil ao R...
Não é fácil encontrar uma rã minúscula aqui!

Entretanto eram horas de jantar, comemos uma Paella num restaurante um bocado turístico mas não muito caro e fomos beber una copa ao Tio Vivo, must em Salamanca.
Já era noite quando saímos da cidade. Como disse atrás, o ambiente entre nós já estava melhor, mas dei logo a entender que quem ia conduzir e decidir o destino não era eu. Mau feitio, eu???

7 comentários:

  1. É um sítio lindo aonde eu estive quando fiz o meu Inter-Rail (o único que fiz, já vão muitos anos) e que me levou dali a Madrtid, depois Barcelona, e por aí fora... A Casa das Conchas fez-me lembrar, na época (mas hoje deveria ser igual) a nossa Casa dos Bicos. Não vos passou isso pela cabeça, também?.. Abcs,

    ResponderEliminar
  2. LOL :D Mau feitio sim... LOL :D Adorei... LOL

    ResponderEliminar
  3. LOL, uma rã dava sempre jeito. :D Era mais uma certeza. LOL (:

    Adoro as vossas viagens e a forma como descreves cada pormenor. Dá a sensação de que viajamos com vocês. :)

    P.S.: Reparei no detalhe do "café da manhã". ;) Boa, coelhinho.

    Adoro-vos.

    lots of love ^^

    ResponderEliminar
  4. Luís, um inter-rail é uma experiência fantástica e só me martirizo de não ter feito mais. No meu optei por excluir a Península Ibérica em detrimento de lugares mais distantes, e agora tenho de começar a compensar isso. E sim, a Casa das Conchas lembra a Casa dos Bicos, apesar de que gosto mais da nossa.

    Shoes... nem imaginas!

    Mark, o 'café da manhã' foi a pensar em ti. No início até me soou mal, mas depois de escrito nem ficou assim tão mau. ;-)

    ResponderEliminar
  5. Em Salamanca devem ter-se cruzado com imensos portugueses, que aquilo está cheio de estudantes portugueses lá na Universidade!
    Bem, isto da falta de planeamento é mesmo uma surpresa! E as vossas voltas começam a tornar-se uma agradável surpresa! :)
    Ah, e no caminho até Salamanca deveriam ter parado por Ciudad Rodrigo (que até ficava em caminho!). Tería valido muito a pena! Mas também, sem planeamento há coisas que acabam por escapar (é uma das coisas menos boas das aventuras!).

    Abraço,
    Ikki

    ResponderEliminar
  6. Como sabem sou da Covilhã e da Covilhã a Salamanca são cerca de 200 kms. Logo fartei-me de ir a Salamanca (com aquela paragem obrigatória em Ciudad Rodrigo, que o Ikki muito bem assinalou) e é uma cidade muito bela.
    Tem, para mim, a mais bela Plaza Mayor de toda a Espanha.

    ResponderEliminar
  7. Ikki, esse é mesmo o point, sem planeamento escapa sempre alguma coisa. Eu até sou um bocado espontâneo, mas em termos de viagens gosto de ter algumas coisas orientadas. Ciudad Rodrigo é um bom exemplo, nunca me lembraria de parar ali, mas agora que andei a pesquisar, foi mesmo pena. Mas haverá mais oportunidades.

    Pinguim: para além do que respondi agora ao Ikki, concordo contigo em relação à Plaza Mayor. Já tinha o bichinho de Salamanca há muito tempo, e quando vi o filme 'Ponto de Mira' decidi pôr Salamanca na minha lista (curiosamente muitos dos destinos das minhas viagens foram influenciados por filmes ou livros). Conheço as 'plazas' de Madrid e Barcelona, mas esta é a mais bonita. E ainda bem que foi com o meu bunnyzinho que descobri isso.

    ResponderEliminar