dois coelhos

Esta é a nossa história, dois rapazes destinados um para o outro, que se conheceram quando um tinha 20 anos e o outro 26.
Desde esse dia que a nossa vida mudou para sempre! E vocês são as nossas únicas testemunhas!

domingo, 24 de junho de 2012

Escócia 3


Depois de uma noite de directa, na segunda noite lá consegui dormir um bocadinho, mas ainda pouco. Acordámos cedo, porque seria um dia bastante preenchido.
Depois do pequeno almoço saímos para a cidade. O bilhete do autocarro era válido por 24 horas, e tinha sido estrategicamente comprado a meio da manhã da véspera de forma a permitir que no dia seguinte ainda o pudéssemos usar.

O nosso destino era a atração número 1 em Edimburgo, o Castelo, mas antes ainda parámos para visitar a Igreja de S. João Evangelista.


Chegámos ao Castelo de Edimburgo por volta das 9h, tal como tinha planeado. Já havia bastantes pessoas na fila para entrar (não tantas como a loucura do Alhambra), mas as portas só abriram às 9h30. Lancei-me imediatamente para uma bilheteira especial... a bilheteira do Explorer Pass. Basicamente é o seguinte: o bilhete para o Castelo de Edimburgo custa quase 20 euros, sem redução para estudante (já não somos estudantes, mas ainda temos cartões válidos!). O Explorer Pass custa 28 euros para estudantes, e permite entrar em 78 atrações do património escocês, em três dias num intervalo de cinco. Ora, o nosso percurso de carro não foi feito ao acaso, tive em consideração isso, de forma a aproveitar os três dias de utilização do cartão. Por isso era fundamental deixar o castelo para este dia e começar logo de manhã cedo. Estás a apanhar as dicas Arrakis?

O Castelo de Edimburgo está no cimo de um vulcão extinto, um local que confere vantagem competitiva em termos defensivos, e boas vistas sobre toda a cidade. Não fosse as nuvens e chuviscos constantes, e até poderíamos ter aproveitado mais.
O castelo alberga as Jóias da Coroa Escocesa e a Pedra do Destino (cliquem no link e leiam a história toda à volta da pedra). Para além disso podem ser visitados os Apartamentos Reais, o Memorial de Guerra Escocês e três museus militares. Há ainda a 'Prisão de Guerra', uma representação de como era o dia a dia dos prisioneiros de guerra (sobretudo os americanos independentistas), nas masmorras do castelo.









Por falar em masmorras, era impossível não falar de fantasmas, ou não fosse o Castelo de Edimburgo considerado como o local mais assombrado da Europa (para quem não sabe, eu tenho a paranoia de explorar sítios assustadores). Alexander Stewart, duque de Albany escapou das masmorras deste local, apunhalando e queimando os guardas. Lady Janet Douglas morreu ali, acusada de bruxaria. Há ainda associado a este castelo a história do flautista escocês anónimo que passou por uma das passagens subterrâneas do castelo e desapareceu para sempre. Este é um dos locais em que os acontecimentos paranormais se sucederam sem explicação. Há testemunhas que revelaram ter vivido o maior pesadelo das suas vidas dentro deste castelo. Desde avistamentos de figuras sombrias, a quedas bruscas de temperatura ou alguém a puxar-lhes a roupa, tudo tem sido relatado. Nós bem procurámos, mas não encontrámos nada de paranormal ali no castelo. Mas houve outro sítio onde encontrámos...


Cerca de duas horas depois saímos do castelo. Eram os últimos momentos em Edimburgo. Aproveitámos para tirar mais umas quantas fotos, enquanto apanhámos pela última vez o autocarro turistico. Saímos na paragem mais próxima da Thrifty rent-a-car, onde tinha alugado um compacto de 4 portas com ar condicionado durante 72 horas por 115 euros. Era o segundo mais barato disponível no site, e estava um bocado receoso da história de conduzir pela esquerda.


No stand da rent-a-car simpatizei com o rapazinho que estava ao balcão. Conversa-puxa-conversa, ah e tal de onde é que vocês são, somos de Portugal, já lá esteve?, fui ao Algarve jogar golfe... eu não percebo muito de golfe. Devo ter dado meia dúzia de tacadas na vida. Mas não sou burro, e no que toca a golfe sei três palavras chave: swing, handicap e putters and chippers. Posso não saber bem o que significam, mas naquele momento isso não interessava nada. Mandei com os bitaites cá para fora, ele achou piada, ia falando e eu respondendo sem saber muito bem o que estava a dizer e no momento de receber a chave do nosso bunnycar escocês ele diz-nos 'temos o prazer de vos oferecer um upgrade gratuito'. 


Entrei no carro, tentei não dar 'muita cana' na minha insegurança, e com o GPS lá nos orientámos até à via rápida. De vez em quando lá ouvi umas buzinadelas, mas 'os cães ladram e a caravana passa'. 43 km depois, que levaram cerca de uma hora a percorrer, chegámos ao primeiro destino: a Falkirk Wheel, uma obra de engenharia ímpar que permite a navegação nos canais escoceses apesar dos desníveis (através de um post do Pinguim sobre viagens descobri um sistema diferente mas com a mesma finalidade em Nivelles). 
Tivemos a sorte de chegar no momento em que o sistema ia ser posto em funcionamento, e lá vimos a roda gigante a levar os barcos de um lado para o outro. Num pequeno museu era explicado toda a história sobre aquela estrutura e a importância económica e histórica dos canais escoceses. No máximo, ficámos ali 20 minutos. Foi suficiente.


Mais 20km e chegámos ao Stirling Castle, um dos que nos recomendou o Francisco. A visita ao castelo custava 16 euros, mas como tínhamos o Explorer Pass não pagámos mais nada. No entanto, Stirling ainda  entrou nas contas, porque o parque do castelo custou 5 euros.

O Castelo de Stirling não fica atrás do de Edimburgo, com a vantagem que imensos atores representavam personagens de época em cada sala do castelo e explicavam os costumes da época, num ambiente muito animado. Do castelo a vista também era impressionante, sobretudo para o campo da batalha da Ponte de Stirling,onde William Walace (personagem interpretada por Mel Gibson no Braveheart) em 1297 deu uma coça aos ingleses.




Robert the Bruce e o monumento a William Wallace ao fundo



Ainda tivémos tempo para um cafézinho no castelo (o almoço tinha sido pão com queijo e fiambre que tínhamos comprado na véspera no Sainsbury e que comemos no carro quando vínhamos da Falkirk Wheel), e seguimos viagem para o próximo posto. Às 16h30 tínhamos de estar em Crieff, a 40km, para o último tour do dia da Destilaria Glenturrent, onde é produzido o whisky The Famous Grouse.  Chegámos lá cerca de 5 minutos antes. 


Também aqui houve uma feliz coincidência. Inúmeras vezes pensei em comprar o bilhete para a The Famous Grouse Experience pela net, não fosse a coisa esgotar e ficar agarrado, porque o percurso de carro estava estabelecido de uma forma algo rígida. O preço da The Celebration Tour era quase 15 euros por pessoa. Acabei por não comprar pela net. Na noite da insónia, enquanto desfolhava os folhetos que tinha ido buscar à recepção do hostel, encontro um vale de 2 por 1 precisamente para o tour que queria do Famous Grouse. Assim, o tour saiu-nos por 7,5 euros cada, e para além de termos ficado a conhecer todo o processo de produção do whisky (na verdade é um blend), provámos 5 whiskies diferentes e a guia ainda nos ofereceu os copos que usámos (na loja custavam 4,20 euros). 




O tempo passou a voar e quando dei conta já estavamos atrasados para o destino seguinte, o Scone Palace, a 35km dali. Quando lá chegámos já passavam 15 minutos da última admissão e não nos deixaram entrar, apesar do choradinho que fiz. :( Fiquei triste, não tanto pelo palácio em si, mas pelo labirinto que tem no jardim e que me tinha deixado muito curioso. Enfim, não havia nada a fazer. Parámos um pouco à frente para o P me confortar pela falha, comemos mais qualquer coisa e seguimos caminho.

O Scone Palace que não conseguimos visitar


Como nos sobrou algum tempo, passámos por Perth, uma cidade pequena e simpática nas margens do rio Tay, onde parámos no Tesco para comprar qualquer coisa para cozinhar para o jantar e para comermos no dia seguinte (15 euros). 



Ficámos em Dundee, outra cidade simpática, num dos melhores hostels onde já dormi, o Dundee Backpackers, num quarto duplo, por 50 euros.

16 comentários:

  1. A minha experiêcia enquanto profissional do setor do turismo só me diz uma coisa: o upgrade que te fizeram com o carro, quer dizer que alugaram todos os carros iguais ao que pediste, e como não te podiam dar um inferior, tiveste um melhor. O cliente tem de ficar sempre satisfeito. É essa a máxima :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a razão, Horatius, e na altura apercebi-me logo disso. O motivo porque referi este episódio com tanto detalhe foi porque no final ainda tivémos uma pequena suspresa à conta daquele funcionário.

      Eliminar
  2. Olá!

    Antes de mais Parabéns pelo óptimo texto!
    Durante alguns minutos estive na Escócia e a visitar todos esses locais!
    Infelizmente não "fomos" visitar o Scone Palace... e o labirinto parecia-me ser giro!!! Fica pra póroxima!

    Será que li bem?... "43 km depois, que levaram cerca de uma hora a percorrer, chegámos ao primeiro destino" vocês iam a quase a 43Km/h???? Não admira as buzinadelas! LOL


    Beijinhos e portem-se mal!! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiguinho, devias levar uma 'belinha' agora. Havia trânsito, tá???

      Eliminar
  3. Estou a gostar de reviver o meu temo kodac com a vossa viagem, fantástica deveras :)

    Abraço amigo para os dois

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Recordar também é viver. Por vezes quando leio os teus posts de viagens por sítios onde passei também me sinto assim.

      Eliminar
  4. Realmente uma viagem deste tipo necessita de uma preparação muito cuidada, quase rigorosa.
    Tu já és quase um profissional de viagens e consegues fazer essa programação ao mínimo detalhe.
    No entanto, e embora aceite que seja uma forma de ver muitas coisas em pouco tempo, não é o meu tipo de viagem.
    Prefiro ver menos e apreciar melhor. Uma viagem para mim também é descanso,também é contacto com o povo e a cultura de um local.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto imenso do contacto com o povo e a cultura, por isso não descuro visitar os museus, sair um pouco do percurso habitual do turista, e quando posso, fazer couchsurfing. Infelizmente nesta viagem isso era impraticável.

      Eliminar
  5. Como ainda estou de férias ná praia, não consegui passar estas dicas preciosas para o meu caderno das viagens, mas assim que chegar a Lisboa vai ser uma das primeiras coisas que faço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que é pena é que esses momentos de praia passam a correr!

      Eliminar
  6. Que viagem fantástica. Gostei dos pormenores do golfe e do whisky que, indubitavelmente, interessariam - e em muito - ao avô e à mãe. :D A mãe adora essa marca de whisky.

    A História do Reino Unido é bastante rica, o que se reflecte nos seus monumentos. Esses magníficos castelos deixam-me encantado. Quem sabe um dia possa visitá-los e conhecê-los. :)

    abraços a ambos e continuação de bom viagem. :3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem, Famous Grouse não é bem um Cardu, mas também escorrega muito bem.
      E claro que um dia vais conhecer os castelos e muitas outras coisas. Só depende de ti mesmo!

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Agora também posso dizer isso, mas foi uma surpresa!

      Eliminar
  8. os coelhos estão com umas viagens de fazer inveja... abraco forte

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lol, Speedy. Da próxima vens com a tua tartaruga-metade!

      Eliminar